Na Clínica Fast Odonto, o realinhamento dentário ortodôntico dura no máximo um ano e meio, enquanto em alguns dentistas pode durar quatro anos!

aparelho ortodôntico
Existem vários modelos de aparelhos ortodônticos disponíveis no mercado atualmente.

Você sabe o que é alinhamento dentário ortodôntico?

É a técnica aplicada pelos dentistas para alinhar os dentes tortos, ou fora da posição considerada ideal ou mesmo com má formação utilizando um aparelho ortodôntico ou um aparelho dentário. O uso contínuo deste dispositivo permite a correção da posição dos dentes, tornando o sorriso da pessoa mais natural e bonito.  Embora o mercado odontológico ofereça hoje diversos modelos de aparelhos ortodônticos, basicamente, este dispositivo nada mais é do que um conjunto de peças ligadas entre si, que fazem pressão sobre os dentes, “empurrando” ou “puxando” os dentes na direção que o seu dentista definir. Portanto, aos poucos, com o passar do tempo, os dentes são movidos lentamente numa direção específica. À medida que os dentes se movem, o osso também modifica o seu formato, remodelando a raiz do dente na sua nova posição. Há diversos modelos de aparelhos sendo comercializados hoje em dia, como o aparelho fixo convencional e os aparelhos estéticos  transparentes e invisíveis, entre tantas outras opções cada vez mais tecnológicas e fashions.

E quanto tempo é necessário para que os dentes cheguem à posição correta?

Este é mais um diferencial do trabalho desenvolvido pela Cirurgiã-Dentista Valeska Roverso Correa, diretora da Clínica Fast Odonto. “Não há um prazo exato para que o tratamento termine. Mas, aqui na Fast Odonto, garantimos que alcançamos os resultados desejados em até um ano e meio. No mercado em geral, no entanto, existem muitos dentistas que seguram o aparelho no paciente por até três ou quatro anos, somente para garantirem sua remuneração por mais tempo. Isso destrói a boca da pessoa”, revela a Dra. Valeska.

De acordo com a profissional, no entanto, não é apenas uma questão de custos. “Acima de tudo, é uma questão de conduta do profissional. Não tem como uma pessoa ficar mais de um ano, um ano e meio de aparelho por que este aparelho atrapalha a higiene dental, causa problema, provoca cáries e propicia o acúmulo de alimentos nos pontos em que suas partes ficam em contato direto com os dentes. Então, é desrespeitoso deixar o paciente mais tempo do que realmente deveria”, explica ela.

A questão da alimentação, por exemplo, é um dos pontos que mais incomoda os pacientes. Além de provocarem cáries, alguns alimentos podem danificar partes do aparelho e descolar os braquetes (aquelas peças que ficam fixas aos dentes e seguram toda a estrutura do dispositivo). Por isso, os pacientes devem evitar comer alimentos muito duros (como nozes e avelãs), pipoca, rapadura e pé de moleque. Também devem ser evitados alimentos grudentos ou pegajosos (como chicletes), alimentos fibrosos (como manga e abacaxi), refrigerantes etc. “Enfim, a lista de restrições alimentar é extensa e quanto menos tempo o paciente tiver de utilizar o aparelho ortodôntico, melhor será sua qualidade de vida. E é isso que priorizamos aqui na Fast Odonto, acrescenta a Dra. Valeska.

A profissional também explica que, mesmo em alguns casos nos quais os resultados demoram um pouco mais para chegar, há opções mais eficazes e honestas para atender o paciente. “No meu planejamento ortodôntico, quando eu percebo que o paciente vai demorar para resolver o problema com ortodontia, eu faço um replanejamento, usando aparelhos móveis antes de colocar o fixo na boca da pessoa, a fim de minimizar o uso do aparelho fixo, evitando danos aos dentes.

Brinde especial para os pacientes ao retirar o aparelho ortodôntico

Outra vantagem de instalar o aparelho ortodôntico na Clínica Fast Odonto o cliente descobre no momento da retirada: “Nós realizamos limpeza e clareamentos dos dentes sem cobrar nenhuma taxa extra”, explica  a Dra. Valeska.

Por que os dentes ficam tortos?

Segundo os especialistas, dentes tortos e problemas na “mordida” podem ter origem em fatores hereditários e também ambientais. Os fatores hereditários, muitas vezes, são responsáveis pelos grandes espaços entre os dentes e as mordidas erradas. Já o hábito de chupar o dedo e problemas nas arcadas dentárias devido a acidentes podem ser alguns dos fatores ambientais que influenciam e contribuem para o desalinhamento dos dentes.

Histórias emocionantes de pacientes com odontofobia que, após o tratamento dentário com sedação, recuperaram seus sorrisos e a sua autoestima

Pacientes da Dra. Valeska Roverso (3)
O paciente Felipe Dias com sua esposa: após o tratamento dentário com sedação, o sorriso voltou com muito mais confiança.

Mais do que cuidar dos dentes e da higiene bucal, o inovador tratamento odontológico com sedação oferecido em São Paulo (SP) pela Clínica Fast Odonto, dirigida pela Cirurgiã-Dentista Dra. Valeska Roverso Correa, recupera sorrisos, relacionamentos, empregos e até a autoestima dos pacientes com medo de dentista. São histórias emocionantes e surpreendentes de pessoas que, em alguns casos, já estavam há quase 20 anos sem passar por um consultório especializado. E, como consequência, praticamente não sorriam mais e alguns, com o tempo, ainda chegaram ao ponto de desenvolver o hábito de caminhar olhando para o chão, como forma de “esconderem” os dentes e evitarem constrangimentos ainda maiores.

Embora essa realidade pareça muito distante para a maior parte das pessoas, a verdade é que, de acordo com estimativas de especialistas brasileiros, cerca de 10% da população sofre de pânico de dentista, em diferentes intensidades. Mas estes números podem ser ainda mais alarmantes. Uma pesquisa realizada pela Associação Americana de Odontologia, nos Estados Unidos, apontou que 3 entre 10 adultos compartilham desse problema.

” TINHA PROBLEMAS ATÉ NA MASTIGAÇÃO DE ALIMENTOS”

A paulistana Karina Pereira, de 36 anos, psicóloga coordenadora de Recursos Humanos em uma empresa localizada na capital paulista, já estava há cerca de 15 anos sem realizar um tratamento dentário quando conheceu a Dra. Valeska. Estava com vários problemas nos dentes, que prejudicavam bastante seu sorriso e também comprometiam a mastigação dos alimentos. Sua gengiva sangrava e ela tinha dentes quebrados até na frente, o que prejudicava toda a estética do seu sorriso. Apesar dessa rotina desagradável, a decisão de resolver de vez esse problema foi tomada, enfim, após o Carnaval deste ano. Ela é apaixonada por música e tocava tamborim com um grupo de amigos no Carnaval. “Eu estava muito feliz tocando meu instrumento favorito e algumas pessoas vieram me questionar porque eu estava tão séria durante a apresentação. Achavam que eu estava com algum problema. Foi quando percebi como eu estava, cada vez mais, e automaticamente, com a boca fechada mesmo enquanto tocava tamborim, como uma defesa”, lamenta.

O primeiro contato dela com o trabalho desenvolvido pela Clínica Fast Odonto foi pela Internet, na página da empresa no Facebook e também no blog “Fim do Pânico de Dentista”, produzido pela própria clínica. “Quando comecei a ler os textos e olhar com atenção as fotos dos pacientes sendo tratados com a sedação, descobri que o meu problema era muito mais comum do que eu imaginava. Encontrei vários outros casos parecidos e, também, muitas pessoas em situação muito mais complicada do que a minha. E isso me encheu de coragem de entrar em contato com a clínica e agendar uma primeira visita”, explica Karina.

Karina conheceu a Clínica Fast Odonto no final de março e teve, logo de cara, uma impressão muito boa. “A Dra. Valeska não cobra nenhuma taxa para esta primeira avaliação nem para apresentar o seu orçamento. Além disso, ela realmente entende nosso pânico de dentista e não pressiona o paciente. Pela primeira vez, não me senti julgada diante de um dentista, pois muita gente acha que o nosso problema é só frescura, descuido ou relaxo. E não é”, afirma. “Independente deste ser o trabalho dela, a Dra. Valeska é alguém realmente interessado na dor do outro. Vim de muito longe, na Zona Leste, para conhecer uma profissional que realmente tem uma preocupação verdadeira com o ser humano”, acrescenta Karina.

“A DRA. VALESKA É VERDADEIRAMENTE PREOCUPADA COM A DOR DO OUTRO”

Durante seu tratamento de quase três horas sedada, Karina trocou obturações de amálgama metálica por resina fotopolimerizável, extraiu dentes, realizou a limpeza completa da gengiva e ainda fez várias restaurações em resina. “Quando acordei da sedação, a sensação que tive foi de muita liberdade. Fiquei muito feliz. Minha vida já mudou bastante, desde a alimentação até o sorriso e o relacionamento com as pessoas. Já recebi vários elogios para o novo visual”, conta. E agora, passada essa primeira etapa do tratamento, ela se empolgou e criou coragem de seguir adiante e realizar outros procedimentos.  “Vou colocar dois implantes e um aparelho para alinhar os meus dentes”, promete.

O confeiteiro Felipe Dias, de 26 anos, é outro paciente satisfeito que recentemente mudou sua vida no consultório da Dra. Valeska. No caso dele, já eram 17 anos sem tratar os dentes. “Acho que meu medo de dentista começou quando eu tinha uns 7 anos. Meus pais me levaram no dentista e ele arrancou um dente meu sem anestesia. O dentista disse que não precisava, que sairia fácil, mas doeu muito e fiquei com a boca muito inchada. Eu passei a achar que toda vez que fosse no dentista iria sofrer daquele jeito de novo”, explica Felipe. Ele também conheceu o método inovador de tratamento odontológico sob sedação da Dra. Valeska pela Internet, pois ele mora muito distante do consultório. “Levei quase duas horas para chegar porque moro no bairro de Morro Doce, próximo de Cajamar”.

“MINHA ESPOSA JÁ RECLAMAVA ATÉ DO MAU HÁLITO DA MINHA BOCA”

“O estado geral dos meus dentes era péssimo. Estava muito feio, eu nem sorria mais de tanta vergonha e até a minha mulher reclamava do mau hálito da minha boca”, confessa.  Ele dormiu durante todo o tratamento, que também levou quase três horas, e envolveu cerca de 10 dentes, incluindo a extração de três raízes e a instalação de um implante na frente. Ao acordar da sedação, a mesma reação de todos os demais pacientes: “Não acreditei no resultado. Ficou muito bom e recuperou minha autoestima de volta”, diz Felipe.

O confeiteiro também destaca a maneira como a Dra. Valeska lidou com ele desde o início, com muita sensibilidade e cuidado. “Quero que todo mundo conheça o trabalho dela porque vale muito a pena e tem muita gente por aí precisando de um tratamento como esse que eu fiz. Já indiquei vários amigos que vão tratar os dentes com ela em breve”, afirma.

A jovem paulistana Suélen Santos, de 27 anos, passou por uma situação igual a de Felipe há 15 anos: arrancou um dente sem anestesia, com muita dor, e a partir de então passou a fugir de dentista.  Durante este tempo, tomou analgésicos quando sentia dor nos dentes, mas não realizava nenhum tratamento. Além das dores, viu a aparência dos dentes piorar muito com o passar dos anos e, com isso, como nos demais casos, seu sorriso foi desaparecendo do rosto. Em dezembro do ano passado ela conheceu a Dra. Valeska e seu tratamento inovador e decidiu, finalmente, cuidar dos dentes. Tratou de uma só vez diversos dentes, além de realizar quatro extrações. “O resultado foi muito bom, mudou bastante minha aparência. E criei coragem para voltar a sorrir sem vergonha”, explica.